segunda-feira, 24 de maio de 2010

Adeus, Lost

Se você ainda não viu o último episódio da série, vai um aviso: o texto contém "litros" de spoilers.

Seis anos. Seis longos anos de mistério, indagações, teorias malucas e, no final, o primeiro palpite estava "quase" certo. Eu tinha só 18 anos quando a série começou, e hoje estou aqui, no auge dos meus 24, como comecei: sem saber ao certo sobre o que se trata. Mas com uma teoria que me satisfaz (e que tive bastante trabalho em aceitar).

Minha primeira teoria sobre lost foi que a ilha era um purgatório. As pessoas que estavam no avião caíram ali, depois de mortas, para pagar seus pecados. E essa era a razão dos "flashbacks" constantes na série: mostrar que todos ali mereciam aquela situação. Ninguém tinha uma vida muito boa antes da queda do avião e agora todos estavam pagando por isso.

Essa teoria logo foi descartada, surgiram outros problemas mais importantes: quem eram os outros? O que era a escotilha? Por que o número 108 era tão recorrente na série? O que diabos era a iniciativa Dharma?

Então fui pesquisar. Quem eram os outros e o que era a escotilha? Bem, isso foi respondido pela série. Pesquisa número 2: o que é Dharma?

Bem, também segundo a wikipedia (não usem essa fonte em pesquisas científicas) - dharma pode ser visto como o caminho para a verdade superior, a iluminação do budismo, sabe? O caminho para a libertação da roda do samsara - o ciclo de reencarnações (isso não parece espiritismo?). Para nós, ocidentais, arriscaria dizer que é a palavra mais próxima é destino (ou missão?). (FATE, como escrito na mão do Charlie no primeiro episódio da série). Ponto pra mim, acho que fez sentido.

Pesquisa 3: O número 108... soma do número dos personagens principais na famosa "Jacob's list". 108, também no hinduísmo tem mais de 108 significados interessantes :P E eu teria que fazer um post só sobre isso. Vou falar de apenas 1: está relacionado com a contagem do tempo hindu, com o número de vezes que respiramos em um dia, com a contagem dos anos para nós e para Bhrama - o criador do universo. Vou falar dele mais tarde.

Continuando com a minha saga, não satisfeitos em terem aberto 108 perguntas sem resposta, os produtores da série inventaram de falar de um tal de efeito casimir, campos eletromagnéticos e aí foi que a coisa ficou feia.

Os fãs da série começaram a viajar na física agora. De repente, eu tinha a teoria que se encaixava em todas as outras: a ilha era um buraco de minhoca (wikipedia: característica topológica hipotética do continuum espaço-tempo - um atalho através do espaço e do tempo)! Uau! Estão usando teorias da física para explicar as maluquices que inventaram na TV. Gostei disso! Tudo parecia ter sentido, porque para se "viajar" por um buraco de minhoca é preciso liberar uma grande quantidade de energia... como aquilo que aconteceu com o Desmond, lembram? Ele explodiu a escotilha e sentiu que tinha voltado no tempo. E isso também aconteceu quando explodiram a bomba atômica - os habitantes da ilha ficaram indo e voltando no tempo. :-D Super divertido... o que será que aconteceria se eles tivessem voltado e matado seus avós? #nerd

O importante dessa fase é o Desmond, que continua sendo o meu personagem preferido. Ele e Eloise Hawking. O Desmond, porque ele é o único que consegue alterar o que aconteceu no passado (o único que não se aplica à regra - o que aconteceu, aconteceu). E Eloise, porque ela sabe o que deve ser feito para que as coisas do futuro sejam do jeito que tem que ser. Confuso, muito confuso. Ah, ela usa um pingente com uma cobra engolindo o rabo - Ouroboros. Um símbolo do "eterno retorno". Seria uma referência à roda do samsara, talvez?

E por três anos, eu achei que tinha descoberto a resposta. Mas então... quem diabos era o Jacob? Por que ele parecia dar ordens a todos mas nunca aparecia pra ninguém? Que inferno. Ninguém explica nada nessa série...

E aí Jacob apareceu. Apareceu conversando com seu irmão em um tempo muito, muito distante, sobre os visitantes. E o diálogo que mais marcou foi: "Eles chegam. Lutam. Destroem. Corrompem. E sempre termina do mesmo jeito" e Jacob responde: "Só termina uma vez. Qualquer coisa que aconteça antes disso é apenas progresso". Hmmm, deixe adivinhar. Samsara? Ouroboros? E o final seria a Verdade superior? A iluminação, talvez? Interessante...

Fugi um pouco dos personagens principais, porque inevitavelmente eu vou falar mais dos que eu gosto. Enquanto tudo isso acontecia nos bastidores, alguns losties morreram, alguns losties mataram, alguns saíram da ilha... e voltaram. Pelo amor de Deus... a desculpa era que "a ilha não tinha terminado com eles". Mas que droga! Que ilha dos infernos!!!!

Na minha interpretação, "a ilha" representava o dharma deles. O caminho que eles deveriam percorrer para atingir a iluminação. E vocês lembram quem os ajudou a voltar pra ilha? A "cumprir" o dharma? Elaaaaa! A mulher do cabelo branco, a inigualável Eloise Hawking! A mulher que sabe tudo sobre o destino dos outros!!!

E então eles voltaram para a ilha. Alguns para os tempos atuais, alguns para 1975. Alguns explodiram uma bomba atômica, alguns ajudaram a matar Jacob, o guardião da ilha, alguns ficaram perdidos e ficaram 16 episódios tentando quebrar o avião. Desistiram no último episódio, porque descobriram que silver tape serve pra tudo. E aí, descobrimos que na verdade Jacob era um grande manipulador, e não um guardião do livre arbítrio, como ele gostava de dizer. Mas era bem verdade que ele só "abria o caminho"para as pessoas tomarem decisões, e não as tomava por elas...

Também descobrimos que o Sr. Locke, não era mais o sr. Locke e sim o irmão sem nome de Jacob, que também era a fumacinha preta pentelha que aparecia desde a primeira temporada, matando boa parte dos losties. Ai que confusão!

E toda essa temporada pode se resumir em um jogo entre o bem e o mal, o yin-yang, entre o seu equilíbrio. O mal (carinhosamente apelidado de Flocke) só existe porque o bem, Jacob, existe. Porque ele o empurrou para o seu destino. E agora cabe a um dos candidatos acabar com (F)Locke, senão ele acaba com a ilha.

Não vou nem falar muito dos flash "sideways", que surgiram quando aquela bomba atômica de 1975 explodiu, e que parecia ser uma realidade alternativa - paralela àquela dos que permaneciam na ilha. Nessa nova realidade a vida de todo mundo era bem melhor, ou parecia ser bem melhor, do que a vida deles quando chegaram à ilha pela primeira vez. A ilha estava afundada, Jack era pai, Locke ia se casar, Desmond tinha a aprovação de Charlesss Widmoreeee (vide lost untangled :P). Um paraíso, diga-se de passagem.

E Desmond. Ah... Desmond. Ele reaparece na ilha. Mais seguro do que nunca. Aceitando a inevitabilidade das coisas. Desmond ressurge e parece ter conhecimento de tudo, sobre tudo, a qualquer tempo. Ele não tem medo. Tudo parece ter feito sentido para ele. Nas duas realidades... no presente e no "flash sideway". Confesso que senti inveja dele, porque ele entendeu tudo. Eu acho que o "choque" que o Desmond levou naquele teste do Widmore pra ver se ele conseguia aguentar altas cargas eletromagnéticas fez com que ele se "iluminasse". Fez com que ele saísse da roda do samsara e atingisse a verdade suprema. É, o que todos nós queremos atingir quando meditamos. O que o budismo prega que pode ser atingido com a prática do DESAPEGO. "Let go" como disseram várias vezes na série.

E toda a explicação "física" para a ilha foi para o espaço. De repente, a ilha deixa de ser um buraco de minhoca e vira a garrafa que impede que o mal se espalhe. O coração da ilha vira uma piscina brilhante de água quente (não resisti :P), que contém o início e o fim. A vida e a morte. O alfa e o ômega. O protetor da ilha, até então Jacob, vira uma rolha que impede o mal de sair. LITERALMENTE, uma rolha! Mas eu duvido que o mal fosse seu irmão, (F)Locke. Não acho que ele seja de todo ruim. Assim como Jacob não é de todo bom.

Nesse momento eu quis chorar de raiva. De ódio. Por ter perdido seis longos anos da minha vida com essa trama absurda...

E a trama seguiu seu rumo. O flashsideway, na verdade, era um período "pós-morte" em que os losties viveram no paraíso e depois lembraram de suas vidas, de seus dramas na ilha. E quando conseguiram se desapegar, se encontraram numa igreja e foram para luz. Uma igreja cheia de significados, diga-se de passagem. Símbolos cristãos, judaicos, hindus, budistas...

E o mesmo conceito que permeia todas essas religiões: o desapego. Eles só conseguiram seguir em frente com a sua evolução, o seu progresso (nas palavras de Jacob) quando aprenderam que o que aconteceu, aconteceu... e não há nada que se possa fazer em relação a isso.

Uma coisa interessante que talvez tenha algum sentido na trama é a trindade Brhama - Vishnu -Shiva. Brhama (o alfa) é o criador, a aranha que tece a teia (maya - ilusão). Vishnu é o poder da manutenção do universo - o protetor do dharma. E Shiva (o ômega?) é aquele que destrói. Mas não em um sentido ruim... Shiva destrói a ilusão.

E eu vejo essa trindade em Lost...
A ilha, a luz brilhante, contém o começo e o fim, a vida e a morte. Que também podem ser representados por Jacob e seu irmão. E quem é a protetora do Dharma nessa história mesmo? Ela, Heloise Hawking. A que sabe tudo do destino dos outros...

Lost foi muito diferente do que eu imaginava. Muito mesmo. Eu confesso que gostaria um pouco da explicação "científica", porque os criadores da série prepararam o terreno pra isso. Confesso que o episódio final foi uma pancada no estômago de qualquer um. E que, assim como eu enxerguei esses significados na série, qualquer outro fã pode ter enxergado outra coisa. O que é uma droga pra quem esperou seis anos...

Mas, como disse meu namorado Renan, e meus amigos Rafa e Júlio, Lost não é uma série. É uma experiência. Eu não me arrependo das vezes que vi lost com vocês três. Das horas que passamos discutindo no telefone, ou da nossa conversa hoje após o episódio. Lost foi revolucionário por causa dos relacionamentos tão bem trabalhados na série, e tão bem "espelhados" aqui, do lado de fora.

Queria deixar bem claro que todas as conclusões que postei aqui são as minhas opiniões, tá? E as de vocês? :-)





3 comentários:

Rafael disse...

#lost foi o relacionamento mais longo que eu já tive! =') vou sentir saudades! jacob loves me!

Fabio disse...

Uau... que feelling...
Pode parecer piegas mas tudo que vc falow tb acredito que seja o que realmente nos quiseram passar.
Foi tb para mim "um soco no estômago" esse final, gostaria de um mais científico.
Porém a "Experiência" vivida, dormida, sonhada, esperada, twitada e etc.
Foi para não LOST de nossas próprias vidas...

Maria disse...

uau!!! adorei o post. muitas ideias, muitas percepções, muitos detalhes dos quais nao me dei conta, mesmo depois de ler e pensar um bucado... muito bom!!
sabe o que pensei lendo aqui?!
"cabe a um dos candidatos acabar com (F)Locke, senão ele acaba com a ilha"
em algum lugar eu li que o (F)Locke era a razão enquanto o Jacob era a emoção. Então faria sentido não se apegar a razão para atingir o tal estado de "iluminação". Se livrar tanto da razão quanto da emoção!! Claro!! :P
viajei um pouquinho ne?!kkkkkkkkk